Cockpit
1041 visualizações 0 comentários

Mazda MX-5 SKYACTIG-G 2.0 Excellence – Brilhante, mas só para alguns

por em 9 Março, 2017
 

Com o regresso do sol e algum calor, nada melhor do que voltar a abrir as capotas e andar com os cabelos ao vento… pelo menos os que ainda restam. E se, para tal, associarmos um chassis extremamente preciso e um motor que nos permita explorar as capacidades desse mesmo chassis? Já encontrei a escolha ideal, o Mazda MX-5 SKYACTIV-G 2.0.

Não há muito mais que eu possa dizer, que não tenha já dito sobre o novo Mazda MX-5, uma vez que este voltou a usar a “receita vencedora” que originou aquele que é o roadster de maior sucesso a nível internacional. Produzido em Hiroshima, senhor de uma condução extremamente precisa, uma qualidade de construção à japonesa (muito rigorosa) e motorizações a gasolina que conseguem ser, ao mesmo tempo, entusiasmante como altamente eficientes. A média em torno dos 5 e 6 litros por cada 100 km registados com o ensaio da versão SKYACTIG-G 1.5 comprovou isso mesmo.

Chegou a vez agora de experimentar a versão 2.0, um motor mais possante, capaz de debitar não só uma maior potência como maior binário que o motor “mais pequeno”. O resultado é uma experiência ainda mais envolvente, e embora 160 cavalos continuem a não parecer muito, a realidade é que o baixo peso do conjunto garante uma agilidade fora do vulgar. A diferença de potência permitiu ainda retirar um segundo no tempo de aceleração dos 0-100 km/h, mas acredite que ao volante essa diferença parece maior, não por desmérito do brilhante bloco de 1.5 litros, mas sim por mérito deste bloco de 2.0 litros.

Com esta motorização e tracção traseira, uma excepcional caixa manual de seis velocidades e um chassis que prima por ser leve e ágil, nada melhor do que procurar estradas de montanha, como a Serra de Sintra ou da Arrábida, e desfrutar desta combinação apaixonante. Convém relembrar que a Mazda optou por equipar esta motorização com uma suspensão mais rígida (desenvolvida pela Bilstein), portanto esta versão não gosta assim tanto de estradas com mau piso, como a versão com o 1.5.

Se a esta situação juntarmos o facto do modelo do parque de imprensa vir equipado com os bancos desportivos Recaro, que embora tenham um visual deslumbrante e garantam um apoio impressionante para o corpo, a realidade é que acabam por ser mais desconfortáveis que os bancos tradicionais. Já em termos de consumos, o resultado também não é tão favorável para esta versão 2.0, embora parte da culpa seja devido ao entusiasmo exagerado do condutor em questão (eu), uma vez que procurei sempre estradas sinuosas para explorar melhor o comportamento deste MX-5.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Ficha Técnica

Motor Prestações
Tipo Quatro cilindros em linha Velocidade Máxima 214 km/h
Capacidade 1998 cc Aceleração (0-100 km/h) 7,3 s
Potência 160 cv (6000 rpm) Consumos (litros/100 km)
Binário 200 Nm (4600 rpm) Cidade (anunciado) 8,7
Transmissão Estrada (anunciado) 5,4
Tracção Traseira Média (anunciada) 6,6
Caixa Manual de seis velocidades Emissões Co2 154 g/km
Chassis Preço
Dimensões (Comp. / Alt. / Larg.) 3915 / 1230 / 1735 mm Valor base €38 847
Peso 1137 Kg Valor viatura testada €41 837
Bagageira 150 litros I.U.C. €232.35
Detalhes
 
Marca
Combustível
Positivos

- Comportamento brilhante
- Design atraente
- Disponibilidade do motor

Negativos

- Preço
- Consumos mais elevados
- Suspensão mais rígida

Pontuação Motor+
 
Design
9.0

 
Interior
9.0

 
Desempenho
8.5

 
Consumos
6.5

 
Equipamento
8.0

 
Preço
7.5

Pontuação Final
8.1

Vote
Pontuação do Leitor
 
Design
8.5

 
Interior
7.1

 
Desempenho
7.5

 
Consumos
5.0

 
Equipamento
8.2

 
Preço
3.1

Pontuação do Leitor
3pontuações
6.6

Acabou de pontuar

Resumo
 

Depois de testar esta versão SKYACTIV-G 2.0, tornou-se ainda mais fácil distinguir os modelos, e recomenda-los para tipos de utilizadores/utilizações distintas. A versão 1.5 é, efectivamente, a mais indicada para uma utilização quotidiana. Porém, se for um entusiasta (como eu), esta é a versão que tem que escolher. Contúdo, prepare-se para alguns pontos menos positivos, como a suspensão mais dura, maior despesa no combustível e um IUC mais elevado. Em qualquer um dos casos, irá ficar, certamente, satisfeito.

Seja o primeiro a comentar!
 
Deixe um comentário

 

Deixe uma resposta