Viseira
1407 visualizações 0 comentários

Scrooser Prime – Mobilidade Urbana do Futuro

por em 16 Dezembro, 2016
 

Já tivemos no passado ensaios a motorizadas, feitas pelo nosso amigo José Macário, mas acredite que este ensaio a um veículo de duas rodas não é como os outros. Primeiro porque se trata de um conceito novo, diferente de uma motorizada. O Scrooser, um projecto que nasceu de uma campanha de crowdfunding no Kickstarter, que até superou os valores iniciais pedidos pelos fundadores, já se encontra disponível em Portugal, distribuído exclusivamente pela Scrooser Portugal.

scrooser_02

Totalmente criada, desenvolvida e fabricada na Alemanha, a representação nacional da Scrooser está sediada na linha do Estoril, sendo este o local ideal para desfrutarmos das capacidades desta espécie de trotinete eléctrica futurista. Criada a pensar numa solução de mobilidade alternativa urbana para os grandes centros urbanos europeus, como Berlim, Barcelona ou Amsterdão, a Scrooser é uma espécie de trotinete “gigante”, que permite ser conduzida como uma trotinete tradicional, colocando-se em cima da mesma e usando o guiador para a dirigir e os pés para ajustar a velocidade, ou então como uma scooter, permitindo que se sente no assento incluído, utilizando o manípulo do punho direito para regular a velocidade, tal como uma motorizada.

scrooser_07

O seu visual não tem grandes dificuldades em dar nas vistas, especialmente pelos enormes pneus usados, que servem um propósito muito simples, o de garantir estabilidade e absorção de irregularidades no piso, ou seja, os próprios pneus actuam como suspensão. A elevada largura ajuda a garantir que a Scrooser não vá descair para o lado, quando tiver alguma distracção (pelas mais variadas razões). Permite ainda, caso precise de sair da Scrooser, que a mesma se mantenha fixa no local sem precisar de colocar o descanso, desde que o piso esteja devidamente nivelado.

scrooser_04

Disponível em duas variantes, a Pure e a Prime, estas variam apenas nas cores e tipos de acabamentos. A Pure, o modelo mais básico, pode ser associado a um acabamento de cor simples em preto (Pitch Black), Cinza prateado (Quick Silver), vermelho forte (Juice Red), sempre com o acabamento dos para-lamas numa cor distinta, a criar contraste. Já a versão Prime oferece acabamentos mais cuidados, como pintura bi-color e assento em pele pespontada. As cores, neste caso, podem usar o quadro em cinza com elementos em azul, quadro em verde com elementos em cinza e preto, quadro em laranja com elementos em preto e quadro em branco com elementos em castanho.

Em termos de acessórios, ambas as versões incluem de série iluminação (à frente e atrás) em LED, obrigatório por lei para poder circular na estrada, e um prático espelho retrovisor no guiador esquerdo. O que é igualmente comum em ambos são o sistema de travagem, hidráulico à frente e mecânico atrás, quadro em aço e um peso, sem bateria de 56 kg. A bateria, de iões de lítio de 36v, 20A e 728 Wh de potência, garante uma autonomia aproximada de 55 quilómetros. Esta tem a particularidade de poder ser removida, permitindo assim a sua carga em casa ou no trabalho, através de uma tomada eléctrica vulgar, demorando entre 2h30 a 4 horas para carregar totalmente, embora os responsáveis afirmem que 80% da carga poderá ser realizada em apenas 2 horas.

scrooser_05

Esta bateria é fundamental para alimentar o peculiar motor eléctrico, integrado na jante traseira, que garante uma força de 65 Nm, e uma potência que pode ir aos 1000 Watts (1,3 cavalos), porém o mesmo encontra-se limitado a 250 Watts (0,34 cavalos), como forma de prevenir que exceda os 25 quilómetros por hora, a velocidade máxima permitida para este tipo de veículo circular legalmente nas estradas. Mas não se preocupe, pois poderá determinar três tipos de velocidade máxima (6, 20 e 25 km/h), utilizando os diferentes modos de condução disponíveis através do painel de controlo, colocado ao centro do guiador. Aqui será reproduzido o modo utilizado (E de Eco, C de Comfort e S de Sport), bem como a velocidade e o nível da carga da bateria.

scrooser_06

A actuação do motor, e da própria Scrooser é, no mínimo, invulgar, pois permite, tal como lhe disse inicialmente, actuar como uma scooter, com o condutor sentado e usar o manípulo no punho do guiador, ou então guiar a mesma em pé, como uma trotinete, utilizando o impulso dos pés para activar o sistema de deslocação por impulso. Esta solução permite que com um impulso com os pés, active a velocidade mínima, e à medida que vai dando mais impulsos, vai aumentando a velocidade de actuação do motor. Aproveitámos a presença do criador da Scroocer, Jens Thieme, para lhe realizar algumas perguntas, tendo uma delas sido se o motor permite a recuperação de energia durante as travagens, algo que o mesmo veio a confirmar, embora de forma muito ténue, para não implicar uma perda significativa na velocidade de rolamento. A Scrooser poderá ser adquirida a partir de 4650 euros para a versão Pure, ou 4910 euros para a versão Prime.

scrooser_03

Ficha Técnica

Motor Ciclística
Tipo Eléctrico Dimensões (Comp./Larg./Alt.) 1760 / 805 / 1100 mm
Capacidade Distância entre eixos 1290 mm
Potência 1000 W (limitado a 250 W) Altura do assento 700 mm
Binário 35 Nm Distância mínima ao solo
Transmissão Raio de viragem
Tipo Directa Peso 150 kg (c/condutor)
Embraiagem Inexistente Preço
Quadro Pure €4.650
Tipo Tubular em aço Prime €4.910
Detalhes
 
Positivos

- Visual
- Funcionamento por impulso original
- Controlo de condução eficaz
- Robustez

Negativos

- Velocidade limitada
- Tempo de carregamento da bateria

Pontuação Motor+
 
Design
9.5

 
Desempenho
7.5

 
Posição de condução
8.5

 
Equipamento
8.0

 
Preço
7.0

Pontuação Final
8.1

Vote
Pontuação do Leitor
 
Design
9.3

 
Desempenho
6.8

 
Posição de condução
9.0

 
Equipamento
7.8

 
Preço
5.0

Pontuação do Leitor
2pontuações
7.6

Acabou de pontuar

Resumo
 

A Scrooser é, no mínimo, uma das ideias mais originais que conheci nos últimos tempos, sendo o resultado final um produto robusto, muito divertido de usar e visualmente muito atraente. Infelizmente a cidade de Lisboa não tem a topografia ideal para que possa ser utilizado como alternativa aos automóveis, mas existem inúmeras aplicações, como o sector do turismo, onde o Scrooser poderá ser a solução ideal face às soluções existentes.

Seja o primeiro a comentar!
 
Deixe um comentário

 

Deixe uma resposta