Cockpit
1736 visualizações 0 comentários

Mazda MX-5 Zen Edition – Ode ao analógico

por em 25 Agosto, 2015
 

Numa altura em que todos aguardam pela chegada da nova geração do Mazda MX-5, estava na altura de prestarmos uma espécie de homenagem ao roadster mais vendido do Mundo. Com quase um milhão de unidades vendidas, um valor que envergonha muitos modelos de segmentos mais populares, o MX-5 actual despede-se com a sua última edição especial, designada como Zen Edition, que oferece um nível de equipamento superior por um preço mais apetecível.

Por menos de 35 mil euros terá direito a um roadster puro, com capota rígida, dois lugares, motor dianteiro com tracção traseira e um baixo centro de gravidade, que oferece um comportamento típico de um desportivo japonês, ou seja, preciso e fiável. E por falar em precisão, é impressionante o quanto as reacções deste MX-5 são previsíveis, sendo um deleite levar este Mazda para uma estrada de montanha e desfrutar, em pleno, das capacidades desde chassis, sem que isso implique ter que andar a velocidades proibitivas e ilegais.

Mas isto não significa que apenas se extraia prazer a conduzir o MX-5 a andar depressa e em estradas de montanha, bastando uma simples volta pelo Guincho, com a capota aberta (e uma boa companhia) ao final da tarde para que o sorriso permaneça durante largas horas na sua face.

Disponível numa única cor (Cinzento Titanium Flash), este modelo destaca-se pelas jantes de liga leve de 17 polegadas com acabamento especial, faróis de nevoeiro e capota rígida na cor da carroçaria, que demora apenas 12 segundos a abrir (e a fechar), sem que isso implique alterar a capacidade da bagageira.

No interior destaca-se os bancos desportivos em pele beije, diversas inserções metalizadas (não metálicas), pedais de alumínio, ar condicionado automático e vidros eléctricos. O sistema cruise control e de áudio e de navegação TomTom, com ligação Bluetooth para sistema alta voz com o seu telemóvel, bem como reprodução de conteúdos multimédia por streaming completam a lista de equipamentos desta versão, que honestamente, tem tudo quando poderia precisar num automóvel.

Em termos mecânicos, esta unidade vinha equipada com o conhecido bloco 1.8 de quatro cilindros, que oferece 126cv de potência (às 6.500rpm) e 167Nm de binário (às 4.500rpm), ou seja, o suficiente para andar depressa sempre que precisar, sem exageros. Aliás, é neste ponto que o MX-5 se torna brilhante, pois não precisa de mais de 200cv para garantir momentos memoráveis ao volante do mesmo, uma vez que toda a experiência é perfeita.

Comportamento previsível e muito preciso (especialmente a direcção mecânica), em parte também graças ao reduzido peso de apenas 1150kg, só os consumos e as emissões é que mancham um pouco o “pano”, culpa do facto de se tratar de uma mecânica “old school”, e não das modernas motorizações com turbo. Mas andando devagar (em ritmo de passeio ao final do dia), é fácil superar os valores anunciados pela marca.

Motor Prestações
Tipo Quatro cilindros em linha Velocidade Máxima 198 km/h
Capacidade 1798 cc Aceleração (0-100 km/h) 9,9 s
Potência 126 cv (6500 rpm) Consumos (litros/100 km)
Binário 167 Nm (4500 rpm) Urbano (anunciado) 9,8
Transmissão Extra-urbano (anunciado) 5,6
Tracção Traseira Combinado (anunciada) 7,1
Caixa Manual de cinco velocidades Emissões Co2 167 g/km
Chassis Preço
Dimensões (Comp. / Larg. / Alt.) 4020 / 1720 / 1255 mm Valor base €34 259
Peso 1150 kg Valor viatura testada €34 722
Bagageira 150 litros I.U.C. €229.36
Detalhes
 
Marca
Combustível
Positivos

- Comportamento
- Estilo roadster tradicional
- Nível de equipamento completo

Negativos

- Consumos em condução despreocupada

Pontuação Motor+
 
Design
8.0

 
Interior
8.5

 
Desempenho
7.5

 
Consumos
6.0

 
Equipamento
8.0

 
Preço
8.0

Pontuação Final
7.7

Vote
Pontuação do Leitor
 
Design

 
Interior

 
Desempenho

 
Consumos

 
Equipamento

 
Preço

Pontuação do Leitor

Acabou de pontuar

Resumo
 

Depois de uma despedida destas, só temos a dizer que a Mazda precisará de realizar um trabalho fenomenal para conseguir criar um roadster melhor que este, mantendo as premissas que o tornaram num ícone na indústria, baixo peso, excelente comportamento e acessível.

Seja o primeiro a comentar!
 
Deixe um comentário

 

Deixe uma resposta