Secções

Notícias

Ensaios

Notícias

Mercedes-AMG revela o seu primeiro PHEV, com 843 cv e 1400 Nm de binário

A electrificação parece ser o único caminho para os fabricantes de automóveis poderem continuar a vender veículos novos no velho continente, e nem a Mercedes-AMG parece escapar, agora que revelou o seu primeiro modelo híbrido Plug-In (PHEV) desportivo, o Mercedes-AMG GT 63 S E Performance.

Baseado na berlina AMG GT 63 S, este modelo é visualmente idêntico, embora existam alguns elementos que o diferenciem, como a existência de uma porta de carregamento de bateria no pára-choques traseiro. Mas é nas características técnicas que este modelo se destaca, ao conseguir elevar tudo aquilo que já conhecemos do referido Mercedes-AMG GT 63 S para um patamar ainda maior.

Estamos a falar na combinação de um poderoso 4.0 V8 biturbo de 639 cv e 900 Nm de binário máximo que actua nos dois eixos, graças ao eficaz sistema de tracção integral AMG Performance 4MATIC+, sendo acompanhado por uma EDU (Electric Drive Unit) no eixo traseiro, que combina um motor eléctrico síncrono de 150 kW (204 cv) com uma caixa de duas velocidades de comando eléctrico e um diferencial autoblocante de controlo electrónico.

A combinação destes elementos garante uma potência total de 620 kW (843 cavalos) e um binário máximo superior a 1400 Nm, permitindo ao Mercedes-AMG GT 63 S E Performance atingir os 100 km/h em 2.9 segundos, os 200 km/h em menos de 10 segundos, e uma velocidade máxima de 316 km/h, o suficiente para tornar este no Mercedes-AMG mais potente de sempre, sendo apenas ultrapassado pelo Project One, que terá cerca de 1000 cavalos de potência e uma velocidade máxima superior a 350 km/h.

Para alimentar o motor eléctrico, a Mercedes-AMG utiliza uma bateria de 6.1 kWh de 400V, colocada por cima do eixo traseiro, para garantir uma distribuição de massa perfeita. Esta bateria, embora tenha uma capacidade curta, uma vez que garante apenas 12 km de autonomia em modo 100% eléctrico, tem a vantagem de permitir alimentar o motor eléctrico de forma contínua com 70 kW (95 cv), ou com picos de 150 kW (204 cv) por períodos de 10 segundos.

O seu elevado peso (89 kg) deve-se ao complexo sistema de arrefecimento líquido, que garante que as 560 células estão sempre a trabalhar à sua temperatura ideal (45ºC), essencial para uma entrega da potência instantânea, e um carregamento rápido durante as desacelerações e travagens. Em termos oficiais, a Mercedes-AMG declara um consumo médio de 8.6 l/100km e 196 g/km de emissões de CO2, segundo a norma WLTP.

Deixe uma resposta