0 comentários

Koenigsegg bate recorde do Bugatti Chiron ao atingir os 400 km/h e parar

por em 18 Outubro, 2017
 

Recentemente a Bugatti divulgou, em vídeo, um impressionante recorde com o novo Bugatti Chiron (conduzido por Juan Pablo Montoya) que demorou apenas 41,96 segundos a conseguir atingir os 400 km/h de velocidade, e travar até parar completamente. Estamos a falar num automóvel que conta com um monstruoso motor W16 com quatro turbos e 1500 cavalos de potência. E que tal se lhe dissermos que a Koenigsegg conseguiu aniquilar esse resultado em quase 5 segundos?

Para tal, a Koenigsegg utilizou um dos 25 Koenigsegg Agera RS produzidos, que tinha como destino um cliente habitual da marca dos Estados Unidos, que pediu à marca para comprovar o desempenho da sua viatura, tendo o resultado surpreendido tudo e todos. A viatura usada tinha apenas como opcional o pacote de potência 1 Mega Watt, o que corresponde a 1360 cavalos de potência e 1371 Nm de binário máximo, bem como uma rollcage removível.

Originalmente foi escolhida a pista de testes em Papenburg, na Alemanha, mas devido às condições meteorológicas, optou-se pelo uso da pista militar de Bandel, na Dinamarca, que fica a quatro horas da fábrica. Esta pista foi criada durante a Segunda Guerra Mundial, e o seu piso irregular levou a que o modelo usado mantivesse a fita de protecção dos elementos em fibra de carbono.

O piloto escolhido para o feito foi Niklas Lilja, o piloto de testes da Koenigsegg, que usando um sistema AiM EVO5 e um AiM GPS08 para registar os resultados, conseguiu o impressionante feito de acelerar do 0 aos 403 km/h, e voltar a parar em apenas 2441 metros, com um tempo total de 37,28s. Os registos permitiram revelar uma aceleração dos 0 aos 400 km/h em apenas 26,88s, tendo demorado 9,56s para parar totalmente.

Tecnicamente, o Agera RS demorou 36,44 segundos para fazer os 0-400-0, superando assim o tempo registado do Bugatti Chiron em quase cinco segundos. Segundo dados registados (pode ver no vídeo), o valor poderia ter sido melhor, caso a pista tivesse um piso mais regular, tendo sido registadas perdas de tracção durante as primeiras três passagens de caixa, onde as rodas terão derrapado, tendo a última ocorrido já aos 183 km/h, durante a passagem da terceira para quarta velocidade.