Secções

Notícias

Ensaios

Aviões

Faz hoje 70 anos que um Boeing B-29 largou uma bomba atómica sobre Hiroshima

Dia 6 de Agosto de 1945 será uma data que deverá ser recordada, não por uma questão de celebração, mas sim para que nunca nos esqueçamos de todo o mal que o ser humano consegue realizar, quando lhe são atribuídos os meios. A ingrata tarefa coube ao B-29 Silverplate, uma versão ligeiramente modificada do Boeing B-29 Superfortress para permitir o transporte e largada de arsenal nuclear.

De seu nome Enola Gay, nome da mãe do comandante da aeronave, o Coronel Paul Tibbets, este B-29 transportava um total de 12 membros, tendo Theodore Van Kirk, responsável pela navegação, sido o último tripulante da aeronave a falecer em 2014, com 93 anos de idade.

A missão do dia 6 de Agosto resumia-se à largada da primeira bomba atómica utilizada num cenário de guerra, a “Little Boy”, composta por 64kg de Urânio 235, com capacidade para gerar uma detonação equivalente a 15 kilotoneladas de TNT. A bomba foi largada às 8:15 da manhã, hora local, a cerca de 31.060 pés (9470 m) de altitude, tendo sido programada para detonar aos 1968 pés (600m) de altitude.

Este slideshow necessita de JavaScript.

43 segundos depois, e com o Enola Gay já a 18,5 km de distância, ocorre a detonação, que devastou quase por completo a cidade de Hiroshima, matando imediatamente mais de 80 mil pessoas, número que atingiria perto das 166 mil dias depois, devido aos vários efeitos causados pela radiação, incêndios e outros ferimentos.

Enola Gay viria a ser utilizado novamente para uma segunda missão atómica, porém desta vez enquanto aeronave de reconhecimento meteorológico, que teria como destino a cidade de Kokura. Contudo, devido às más condições climatéricas, a missão foi alterada e optou-se pelo bombardeamento da cidade de Nagasaki, tendo cabido desta vez ao B-29 Bockscar, pilotado pelo Major Charles Sweeney, largar a segunda bomba atómica utilizada num cenário de guerra, a Fat Man.

Esta bomba, embora mais compacta, com apenas 6,2kg de Plutónio, gerou uma detonação mais devastadora, equivalente a 21 kilotoneladas de TNT, porém o nível de danos foi inferior, tal como o número de mortos (cerca de 80 mil pessoas) devido ao terreno mais irregular da cidade de Nagasaki.

A aeronave Boeing B-29 Enola Gay encontra-se actualmente em exposição no Museu Nacional do Ar e Espaço Steven F. Udvar-Hazy Center, na Virginia. Esperemos, para o bem de todos, que nunca mais venham a ser utilizadas aeronaves com este potencial bélico.