Secções

Notícias

Ensaios

Ensaios

Hyundai Kauai 1.0 T-GDi – Mudança de atitude

Com o objectivo traçado de se tornar na marca asiática automóvel líder no mercado Europeu, a Hyundai teve que mudar de atitude e apostar tudo nos novos modelos. O novo Kauai é o exemplo perfeito dessa mudança de atitude.

A Hyundai não é, propriamente, um novato no segmento dos SUV, contando no seu catálogo modelos bem-sucedidos como o Santa Fé e o Tucson. Porém, para poder atingir o resultado almejado, o fabricante coreano teve que apostar no segmento que maior procura tem registado no velho continente. Estamos a falar do novo Hyundai Kauai, destinado ao segmento dos SUV compactos (B-SUV). Não estranhe se ao sair das fronteiras nacionais encontrar este modelo com o nome Kona, o nome internacional, mas que foi “ajustado” para que em Portugal tivesse o nome de outra ilha do arquipélago do Hawai.

Desenvolvido ao mesmo tempo que o modelo equivalente da “irmã” Kia, o Stonic, a realidade é que o Kauai revelou estar alguns níveis acima do Stonic, não só em termos de design, como pelo simples facto de a Hyundai não ter usado uma plataforma do segmento B como base, mas sim de um segmento superior (K2), utilizada pelo Hyundai Elantra (não vendido em Portugal). O Stonic, por comparação, utiliza a plataforma do Kia Rio.

Esta solução deve-se ao facto de a Hyundai pretender tornar o Kauai num dos B-SUV mais versáteis do mercado, ao permitir a instalação de um sistema de tracção às quatro rodas, bem como a instalação de um sistema totalmente eléctrico, algo que a Hyundai espera lançar ainda este ano, com duas versões com autonomias distintas, 300 e 470 km. Contudo, para o modelo testado, a utilização da plataforma K2 conferiu ao Kauai um comportamento dinâmico superior e num pisar mais sólido que o habitual em modelos deste segmento.

Visualmente o novo Kauai é… estranho, mas perfeito para o mercado em que se insere. À semelhança do que aconteceu com o Nissan Juke, que durante anos dominou o segmento, o Kauai diferencia-se pelo estilo original, com a divisão dos elementos ópticos, enorme grelha e apontamentos de reforço da carroçaria que servem para incluir algum contraste com a cor da carroçaria escolhida. Olhando com atenção, não é difícil encontrarmos semelhanças com outros modelos em determinados pontos, como a grelha que parece a do novo Audi A7, ou as ópticas dianteiras que parecem as do Jeep Cherokee.

Pessoalmente, gosto muito do resultado, tendo apenas ficado algo desiludido com a qualidade da iluminação proporcionada pelas ópticas dianteiras. Em termos visuais, falta apenas referir os elevados níveis de personalização, com a possibilidade de se combinar uma das 10 cores disponíveis com as duas cores de tejadilho existentes (preto e branco), ao qual se podem juntar as jantes e outros acessórios menos relevantes. No interior a personalização continua presente, ao ser-se possível escolher elementos como molduras na manete da caixa de velocidades, saídas de climatização, cintos de segurança e rebordos dos estofos em tecido em preto, vermelho e verde lima, com estas últimas duas cores combináveis com os opcionais bancos em pele.

A aplicação destas cores permite disfarçar a presença de um habitáculo totalmente composto por plásticos rígidos, algo espectável num automóvel nesta gama de preços. Curiosamente, as texturas utilizadas, e a própria qualidade dos plásticos garante um toque agradável, revelando ao mesmo tempo uma boa montagem, que garantiu uma ausência de ruídos e vibrações quando circulei em maus pisos. Em termos de espaço, o Kauai não surpreende, disponibilizando bom espaço para quatro ocupantes, um lugar central traseiro apenas de recurso, e uma bagageira que não surpreende com os seus 361 litros de capacidade, podendo esta ser ampliada para os 1143 litros ao rebater-se os bancos traseiros.

Falta apenas referir o elevado nível de equipamento já incluído de série, como ar condicionado automático, sistema de chave inteligente, Bluetooth com comandos no volante e reconhecimento de voz, doca para carregamento por indução para smartphones, computador de bordo, portas USB e Aux e sistema de infoentretenimento com ecrã táctil de 7 polegadas compatível com as plataformas Android Auto e Apple CarPlay. Em termos de equipamentos de segurança, o Kauai conta já com o sistema de travagem autónoma de emergência com detecção de peões, assistência à faixa de rodagem, câmara traseira e sistema de alerta de fadiga do condutor.

Por fim, no campo das motorizações, o Hyundai Kauai está disponível com duas motorizações a gasolina, o brilhante 1.0 T-GDi de três cilindros de 120 cavalos utilizado neste modelo testado, e o 1.6 T-GDi de 177 cavalos, que em Portugal está associado à caixa de dupla embraiagem de sete velocidades DCT, e ao já referido sistema de tracção às quatro rodas. Mais tarde será lançada uma versão diesel, mas honestamente, esta versão 1.0 T-GDi é mais do que suficiente para qualquer condutor.

É impressionante a disponibilidade que este pequeno motor de três cilindros consegue oferecer, estando o mesmo associado a uma caixa manual de seis velocidades com bom escalonamento. Esta combinação consegue ainda, com algum cuidado no doseamento do pedal do acelerador (este motor convida a exageros), atingir consumos médios muito próximos dos anunciados pela Hyundai, entre os 5 e os 6 l/100 km.

Em termos de comportamento, nota-se um adornar mais contido e controlado que em modelos rivais, graças à suspensão mais rígida, mesmo estando presente, neste modelo em concreto, uma suspensão traseira composta por um sistema de barra de torção em vez do sistema multibraços independentes, utilizado só na versão 4×4. Ainda assim, este Kauai revelou ser bem mais divertido de conduzir que o esperado, especialmente em estradas mais sinuosas.

Ficha Técnica

Motor Prestações
Tipo Três cilindros Velocidade Máxima 181 km/h
Capacidade 998 cc Aceleração (0-100 km/h) 12,0 s
Potência 120 cv (6000 rpm) Consumos (litros/100 km)
Binário 172 Nm (1500 rpm) Cidade (anunciado) 6,3
Transmissão Estrada (anunciado) 5,0
Tracção Dianteira Média (anunciada) 5,4
Caixa Manual de 6 velocidades Emissões Co2 125 g/km
Chassis Preço
Dimensões (Comp. / Alt. / Larg.) 4165 / 1550 / 1800 mm Valor base €20 163
Peso 1350 Kg Valor viatura testada €20 163
Bagageira 361 / 1143 litros I.U.C. €135.49

Notas Finais

Design6.5
Interior5.5
Desempenho6
Consumos6.5
Equipamento7
Preço8

Gostámos

  • Comportamento dinâmico
  • Visual arrojado
  • Equipamento

A rever

  • Suspensão rígida para cidade
  • Visual poderá não agradar a todos
  • Espaço interior

Conclusão

6.6A Hyundai conseguiu criar um novo automóvel que se diferencia de tudo o que até então tinha sido criado pelo construtor coreano. Atraente, diferente e competente são as melhores palavras para o caracterizarem. Tem ainda a vantagem de manter-se fiel à tradição Hyundai, ou seja, oferecer por um preço muito acessível um automóvel recheado de equipamento de série e uma garantia de 5 anos sem limite de quilómetros. Que mais precisa?

Gustavo Dias