Secções

Notícias

Ensaios

Notícias

BMW ou Mercedes-Benz? Afinal quem dominou o segmento Premium em 2018?

Com mais um ano terminado, mais comunicados e conferências de imprensa onde afirmam que são a maior marca Premium do mercado. De quem estamos a falar? Da guerra de números entre a BMW e a Mercedes-Benz, obviamente. Esta situação ocorre há varios anos, e chegou a ser tema de conversa no ano passado (veja aqui), mas este ano a situação atingiu o absurdo, com ambos os fabricantes a anunciarem os melhores resultados de sempre, o número um no segmento premium e que este resultado se manteve durante os últimos oito anos. Talvez não seja bem assim…

E que tal em 2018, quem venceu afinal? Pegando nos números absolutos revelados por cada fabricante, a BMW Group Automotive vendeu um total de 2.490.664 unidades durante o ano de 2018, e a Mercedes-Benz Cars 2.438.987 unidades. Aqui sim, a BMW venceu a Mercedes-Benz. Mas o que significam estes números? Para a Mercedes-Benz Cars, estamos a falar em todos os automóveis Mercedes-Benz e Smart, enquanto na BMW temos todos os modelos BMW, Mini e Rolls-Royce.

Ou seja, isolando as marcas principais, a BMW vendeu 2.125.026 unidades (incluí modelos BMW M e BMW electrificados), face às 2.310.185 unidades Mercedes-Benz comercializadas durante 2018. Ou seja, embora adicionando todas as marcas automóveis, a BMW tenha superado os resultados da Mercedes-Benz em conjunto com a Smart, mas não nos podemos esquecer que o Grupo Daimler incluí muitas divisões, como a Mercedes-Benz Vans, Mercedes-Benz Trucks, Daimler Trucks e Daimler Buses. Imagine se o Grupo Daimler divulgasse os resultados de todas estas sub-marcas em conjunto com a Mercedes-Benz Cars.

E em Portugal?

Em Portugal a situação não é muito diferente, embora seja mais notória a vantagem da Mercedes-Benz, que terminou o ano com o seu melhor resultado de sempre. Ao todo, foram comercializadas 16.464 automóveis Mercedes-Benz, o que representa um crescimento de 1,2% face aos excelentes resultados de 2017, mas o suficiente para permitir alcançar uma quota de mercado de 7.2% (uma das maiores da Europa), garantindo assim a terceira posição enquanto marca automóvel mais vendida em Portugal.

Se a estes números adicionarmos a Smart (3.205 unidades), o resultado cresce para as 19.669 unidades. Por fim, se desejarmos adicionar todas as marcas do Grupo Daimler em Portugal (comerciais ligeiros, comerciais pesados e de passageiros), o resultado sobre para 21.900 unidades. Já a BMW não conseguiu mais que a sexta posição no geral, com 13.813 unidades, ou seja, sofreu um decréscimo de 5% face aos resultados de 2017. Se adicionarmos a Mini e BMW Motorrad, o valor sobe para as 18.351 unidades.

Mais vendidos

E o que podemos retirar dos resultados divulgados? Que estes só são obtidos à conta das unidades compactas, com o Classe A (5682 unidades) a representar 35% do total de unidades vendidas da Mercedes-Benz, subindo esse valor para os 55% se adicionarmos os restantes modelos do segmento compacto (B, CLA e GLA – 3238 unidades). De resto, a Gama C representou 14% com 2328 uniddes, Gama E com 13% (2079 unidades) e gama GLC com 12% (2041 unidades).

Já no caso da BMW, o modelo mais vendido foi o Série 1, com um total de 3477 unidades, representando um quarto do total de unidades vendidas pela marca em Portugal, tendo sido seguida pela gama Série 5, com 1369 unidades (10%) e Série 4 Gran Coupé com 1248 unidades (9%). É curioso verificar-se que os veículos electrificados BMW já contabilizaram para 14% do total das vendas, com 1505 unidades da família BMW iPerformance (PHEV) e 387 unidades da família BMW i.

Gustavo Dias